27 de ago de 2009




Até o tempo, tá sem tempo.

O tempo se resume ao instante.

Ao agora.

As suas variações de presente, passado e futuro, misturam-se em uma só.

Tudo é passado presente e futuro.

Tudo é: antes, agora, e depois.

O tempo, não perde mais tempo com tanta formalidade de existência.

E, talvez, por isso, corra o risco de não existir mais.

Porém, sua não-existência temporal o torna mais independente.

O tempo ficou autônomo.

Ele não precisa mais do espaço.

Tá na moda tempo.

Converteu-se em lugar, num só contexto.


O tempo agora, é mais que antes...
O tempo se tornou eterno depois...

2 comentários:

Eduardo Santos disse...

Olá. O tempo tá sem tempo. Interessante a afirmação, de forma simples acaba por descrever o tempo que corre e que não temos, porque vamos a correr atrás dele. Acompanhei o seu texto abaixo, gostei, dá para reflectir, de facto nunca a solidão foi tão patente como agora no mundo global. Tudo de bom para si.

*** Cris *** disse...

Olá,td bem?
Adorei o texto e sua a visita também. Bjs!