19 de mai de 2010

Li-ber-da-de



Nasci para ser livre e quem quiser que me deixe assim.
Tenho dois pares de asas, um desejo infinito no peito

e um lado que não se cala.
Sou filha da lua.
Quero sempre o vôo mais alto, a vista mais bonita,

o beijo mais doce.
Tenho um coração que quase me engole,

uma força que nunca me deixa e uma rebeldia

que ás vezes me cega.
Não gosto de café morno, de conversa mole,

nem de noite sem estrela.
Sou bem mais feliz que triste, mas às vezes fico distante.
E me perco em mim como se não houvesse começo nem fim,

nessa coisa de tentar achar explicação pra vida.
Explicação mesmo eu sei: não há.
E me agarro no meu sentir porque no fundo,

só meu coração sabe.
Sou fácil de ler, mas não tente descobrir porque o

refrão insiste em tocar tanto...
E me deixe ser assim, exatamente como eu sou.
Meio gato, meio gente, desconfiada, independente.
E adoradora de todos os luxos e lixos do mundo.

Um comentário:

*** Cris *** disse...

Olá,td bem?
Gostei do texto com belas palavras,dá sensação de liberdade.
Bjs!